Cemitério da Santa Casa de Caridade

Os três primeiros cemitérios da cidade de Bagé foram construídos, respectivamente, no atual terreno do Banco Banrisul, na Praça de Esportes (antiga Praça Rio Branco) e no alto da Santa Casa. A fundação do atual Cemitério da Santa Casa de Caridade de Bagé, possivelmente tenha ocorrido no ano de 1858, devido ao crescimento urbano da cidade, sendo o quarto cemitério construído na cidade. Os três anteriores eram a campo aberto, sem proteção. Foi projetado então este cemitério, devidamente protegido, feito para funcionar por muitos anos. O primeiro a ser sepultado no novo cemitério foi o Sr. Libindo Antônio Martins.

Pode-se observar, ao andar por suas vielas, o grande número de obras artísticas, possuindo uma grande riqueza e simbolismo incomum, quer seja por valor artístico ou histórico. Ao longo de seus corredores é possível perceber um acervo grandioso e a existência de várias obras de artistas espanhóis e italianos em muitos mausoléus familiares, caracterizando-se como um grande museu a céu aberto e torna possível, através do seu acervo, resgatar a história das famílias tradicionais e o momento da opulência econômica do município.

Encontram-se sepultados no Cemitério de Bagé personagens importantes da história da cidade, do Rio Grande do Sul e do Brasil. Vários veteranos da Guerra do Paraguai estão enterrados aqui, entre eles dois inimigos da Revolução Farroupilha: o líder farrapo General Antônio de Souza Netto e o imperial Coronel João Nunes da Silva Tavares. Em 10 de setembro de 1836, os dois travaram uma das mais importantes e conhecidas batalhas da Revolução. Às margens do Arroio Seival, as tropas do General Netto derrotaram os imperiais, comandados por Silva Tavares, naquela que ficou conhecida como Batalha do Seival. No dia seguinte à vitória, o General Netto proclamou a República Rio-Grandense. Os antigos inimigos hoje descansam bem perto um do outro, estando um túmulo ao lado do outro.

Outro vulto histórico importante para a cidade, também sepultado no cemitério da Santa Casa de Caridade é o Preto Caxias, também popularmente conhecido como Mão Preta: Maximiano Domingo do Espírito Santo era natural do Rio de Janeiro, filho de escravos, oriundo de Angola. Chegou em Bagé aos 36 anos de idade, como parte do 8º Batalhão de Fuzileiros. Depois de sair do exército, passou a trabalhar na Santa Casa de Caridade, onde foi zelador, enfermeiro e transportador de doentes, praticando inúmeras ações de beneficência.

Faleceu em 1º de julho de 1888 mas sua benevolência lhe valeu muito respeito e consideração do povo bajeense, que até hoje continua a prestar homenagens a este grande homem, com a crença popular de que este realiza milagres em troca de promessas. Seu túmulo é um dos mais visitados, possui um símbolo de uma mão negra entrelaçada a uma mão branca, que faz alusão a um encontro que este teria tido com a Princesa Isabel.

Existem duas hipóteses e lendas populares quanto o suposto encontro com a princesa Isabel, que visitou Bagé em 20 de fevereiro de 1885. Uma diz que foi o único a receber a ilustre visita da princesa Isabel na Santa Casa de Caridade, onde teria apertado a mão da nobre. Segundo alguns pesquisadores, o aperto de mão poderia ser de seu marido o conde D'Eu, já que uma princesa não apertaria a mão de um plebeu como reza a tradição monarca. Outra hipótese conta que Mão Preta resolveu ir à Igreja de São Sebastião ao encontro de princesa Isabel. O pároco reverendo Bitencourt recebeu a filha do imperador Dom Pedro II na porta da igreja e apresentou Mão Preta dizendo: “este é o Preto Caxias alma mais caridosa da região”.

 

Endereço: Av. General Mallet, 98

Horário: 8h – 11h30 / 13h30 – 17h30

Telefone: (53) 3242-3570

 

Mercy Hospital Cemetery*

The first three cemeteries of Bagé were built next to the Mercy Hospital, where now stands a bank (Banrisul) and where now the Sports Square (former Rio Branco Square) is located. These three cemeteries used to stand in open areas, totally unguarded. Due to urban growth, a fourth cemetery was built, far from downtown and properly guarded – the Mercy Hospital Cemetery. Its foundation probably occurred in 1858 and it was designed to operate for many years. The first person to be buried there was Mr. Libindo Antônio Martins.

Walking down the cemetery aisles, one can notice an extensive number of precious artworks of unique symbolism, artistic and historical value. Among the magnificent collection, there are numerous artworks by Spanish and Italian artists in family mausoleums. The cemetery is an outdoor museum and its artworks recover the history of old families and the richest period of the city.

Important historical figures of the city, the state and the country are buried in the Mercy Hospital Cemetery. Several veterans of the Paraguayan War are buried there, including one of the leaders of the Farroupilha Revolution (or Ragamuffin War), General Antônio de Souza Netto, and his opponent General João Nunes da Silva Tavares. On September 10th, 1836, they fought one of the most important and famous battles of the Revolution. On the banks of Seival Stream, General Netto’s troops defeated the imperial forces commanded by General Tavares, and this battle became known as the Seival Battle. On the day after the victory, General Netto declared the independence of the Riograndense Republic. The former enemies were laid to rest right next to each other, in two graves side by side.

Another famous person in the history of Bagé buried in Mercy Hospital Cemetery is Preto Caxias, also popularly known as Mão Preta (Black Hand). Maximiano Domingo do Espírito Santo was born in Rio de Janeiro, son of slaves from Angola. He came to Bagé at the age of 36, as a member of the 8th Battalion of Riflemen. After he left the army, he got a job at the Mercy Hospital, where he worked as janitor, nurse and transporter of patients. He also did a lot of charity work.

He passed away on July 1st, 1888, but his benevolence drew him utmost respect. To this day, people pay tribute to that great man and some believe he performs miracles. His grave is one of the most visited. It has a sculpture of a black hand shaking a white hand, symbolizing the meeting he allegedly had with Princess Isabel. There are two hypotheses or popular legends about this meeting, which presumably occurred when Princess Isabel visited Bagé, on February 20th, 1885. One of the hypothesis is that he was the one who first welcomed the illustrious visitor at Mercy Hospital, where he shook hands with her. According to some researchers, that handshake could have been occurred between Mão Preta and Count D’Eu, the princess’ husband, because, according to the traditions of the monarchy, a princess would not shake hands with a commoner. The other hypothesis is that Mão Preta decided to go to São Sebastião Church to meet the princess. The parish priest, Rev. Bitencourt, welcomed Emperor Dom Pedro II’s daughter at the church front door and introduced Mão Preta to her by saying: “This is Preto Caxias, the most compassionate soul of the region”.

 

Address: Av. General Mallet, 98

Opening hours: from 8 a.m. to 11:30 a.m., and from 01:30 p.m. to 05:30 p.m.

Phone: 53.3242.3570

 

*Versão em inglês - Unipampa Campus Bagé:

Coordenação do Projeto: Profa. Aden Rodrigues Pereira
Professora Responsável pela versão em inglês: Profa. Simone Silva Pires de Assumpção
Alunos-voluntários: Maria Eduarda Garcia Amaral Valone Pedro Aurelio Brites Quevedo Visentini

 


Desenvolvido por Vitrine Brasil |